7 passos para tomar melhores decisões baseadas em dados

Já é quase um clichê falar que produzir leite não é uma tarefa fácil e sobre todas as dificuldades que uma fazenda enfrenta para produzir alimentos de qualidade. A margem para erros está cada vez menor, as decisões precisam ser cada vez mais assertivas.

Para falar de decisões do negócio precisamos falar de dados e você deve estar se perguntando “Por que preciso tomar decisões baseadas em dados?” Respondendo com apenas uma palavra, o motivo é complexidade. Qualquer decisão que tomamos é baseada em dados. Você decide atravessar a rua e, automaticamente, você coleta muitos dados: trânsito, clima, dados sobre o comportamento de outros pedestres. No contexto do negócio, podemos tomar decisões ao intuitivamente seguir nossos instintos, mas como a complexidade é alta, esta abordagem natural não vai nos levar muito longe. Em um certo ponto, precisamos mudar para uma tomada de decisão baseada em dados.

Não existe solução mágica que vai resolver os problemas e alcançar os objetivos e projetos da fazenda, somente profissionalismo e ações assertivas. Não existe um manual correto de como devemos conduzir esse processo, precisamos adaptar com a realidade do contexto que estamos inseridos e aprender ao longo do tempo qual a melhor maneira de utilizar os dados do nosso negócio para ganhar mais. 

Entretanto é possível utilizar alguns passos e ferramentas para organizar esse processo de tomada de decisão.


1. Entender o contexto

Cada negócio e sistema de produção tem suas próprias particularidades, entender o contexto do negócio como um todo é o ponto de partida. Em um sistema de confinamento, por exemplo, a exigência de produtividade por animal é maior por seu custo de produção ser maior. Por outro lado, em um sistema base pasto onde é possível ter uma boa produção imobilizando menos capital, ou seja, gastando menos com construções, a tolerância em relação a animais de produção inferior é diferente. O sistema como um todo deve ser levado em consideração para a tomada de decisão.

Na prática: pequena propriedade com sistema base pasto.


2. Definir indicadores-chave

A escolha dos indicadores deve ser personalizada de acordo com o contexto levantado no passo 1. Podemos citar como alguns exemplos os indicadores reprodutivos, como taxa de serviço, taxa de prenhez, DEL (dias em lactação), IEP (intervalo entre partos). Também indicadores financeiros como custo por litro de leite produzido, RMCA (receita menos custo de alimentação). É importantíssimo observar os indicadores para identificar quais são os gargalos da fazenda.

Na prática: foco nos indicadores reprodutivos.


3. Visualize

Organizar os indicadores para /que a informação seja contextual o suficiente para fazer a diferença na tomada de decisão e seja possível, de forma simples, identificar fatores que precisam de mais atenção.

Na prática: observou-se a oportunidade de melhorar a taxa de prenhez da fazenda, logo se faz necessário analisar os motivos de ter poucas vacas emprenhando e buscar estratégias, por exemplo aumentar a taxa de serviço e diagnósticos de saúde uterina.


4. Plano de ação

“Problema” encontrado é hora de definir o que deve ser feito, por que precisa ser realizado, quem deve fazer, onde será implementado, quando deverá ser feito, como será conduzido, quanto custará esse projeto?

Na prática: intensificar/utilizar protocolos de IATF para aumentar a taxa de serviço, repensar o tipo de protocolo baseado nos resultados dos anteriores, utilizar sistema de monitoramento para auxiliar na detecção de cios, realizar diagnósticos de saúde uterina antes da 1ª IA.


5. Escolha prioridades

Com certeza existem várias questões a serem resolvidas, todas precisam de uma solução, mas não é possível resolver todas ao mesmo tempo, precisamos organizá-las de forma prioritária. Existem várias ferramentas para auxiliar nesse processo, mas acredito que matriz de urgência/importância vai auxiliar bastante.

Na prática: organizar as ações na matriz de acordo com seu nível de importância e urgência.