Como conseguir diagnosticar Tristeza Parasitária Bovina (TPB) precocemente?

Todos sabemos que o produtor de leite tem muitos desafios em sua atividade sejam reprodutivos, sanitários e nutricionais. Qualquer um destes vieses da produção se mal manejados impactam diretamente no custo de produção. Ao falar em sanidade do rebanho, uma doença que afeta frequentemente as fazendas é a Tristeza Parasitária Bovina (TPB), a qual impacta diretamente o desempenho produtivo e reprodutivo do rebanho.

A TPB é uma doença hemolítica que possui agentes etiológicos diferentes (Babesia bovis, Babesia bigemina e Anaplasma marginale) com sintomatologia parecida. O Babesia bovis e o Babesia bigemina é um protozoário, o qual é transmitido por carrapatos e agulhas e tem seu período de incubação de 7 a 20 dias, causando a Babesiose. Já a Anaplasma marginale é uma ricketzia, é transmitida por carrapatos, moscas e agulhas e seu período de incubação é de 14 a 40 dias, provocando a Anaplasmose.

Os sinais clínicos brandos são apatia, redução de apetite e febre, os quais se não tratados rapidamente e com eficácia, podem levar a morte do animal. Então a solução é diagnosticar e tratar os animais precocemente, com isso uma maior chance de cura e recuperação mais rápida do volume globular.

Mas você deve estar se perguntando como antecipar o tratamento, recuperar as vacas rapidamente ou até mesmo deixar de perder um animal?

Diagnosticando a alteração do comportamento do animal precocemente. Como bovinos são presas na cadeia alimentar, instintivamente, buscam esconder fraquezas e sintomas de doenças que as deixem debilitadas, o que as tornaria presas fáceis. Esse ato de esconder os sintomas acaba dificultando diagnósticos visuais assertivos e diagnósticos precoces. Um sistema de monitoramento, através de coleiras permite isso, monitorando os animais, reconhecendo seu comportamento padrão e identificando pequenas mudanças no seu comportamento que possam indicar o início de uma doença, com alertas precoces de saúde o produtor pode antecipar o diagnóstico e tratamento de seus animais. 

O relato abaixo é de nosso cliente Ricardo Komagome, sócio proprietário da fazenda Várzea Grande, localizada na cidade de Floresta/PR. Ricardo nos conta que comprou 30 animais de outra fazenda que havia chance de os animais apresentarem Tristeza Parasitária.

“Até agora a grande maioria dos animais já adoeceram, apresentando Anaplasmose. A grande vantagem do sistema de monitoramento da CowMed é que consegui iniciar o tratamento precocemente logo no primeiro alerta de desafio.”

Ricardo ainda complementa:

“Essa doença é um dos grandes desafios dos produtores de leite.  O monitoramento me ajudou muito e não tive perca de nenhum animal.”

Um caso que Ricardo, relatou foi da vaca abaixo, ela já adoeceu três vezes desde que está na propriedade.

Análise da saúde animal


Acima podemos ver o caso da vaca citada por Komagome, podemos observar que este animal adoeceu duas vezes no período que estava prenhe seca e como foi tratada precocemente o animal se recuperou rapidamente.

Monitoramento Cowmed


Este caso acima é de outra propriedade monitorada, a qual o animal teve Babesia, podemos ver que o animal teve uma queda no seu tempo de ruminação (linha verde) bem intensa e após o tratamento o animal se recuperou e voltou ao seu padrão de comportamento.

Portanto, o monitoramento proporciona o diagnóstico e tratamento precoce, consequentemente aumentando a taxa de sucesso dos tratamentos contra a Tristeza Parasitária Bovina, recuperando rapidamente a produção leiteira e menos sequelas reprodutivas.

Faça como Ricardo Komagome e tantos outros clientes nossos, antecipe os tratamentos e diagnósticos de saúde de seus animais, entre em contato conosco e peça seu orçamento.