Estresse térmico: o inimigo do bem-estar

Um dos principais tópicos da atualidade e que tem grande interesse na produção animal é o bem-estar, ainda mais quando nos referimos a propriedades leiteiras. Garantir um ambiente saudável e confortável, onde o animal possa expressar todo seu potencial genético em produção é de extrema necessidade, não é mesmo?

Para isso precisamos conhecer nossos animais, compreender as necessidades e atuar da melhor maneira dentro de um sistema de produção, evitando ao máximo que os animais passem por qualquer tipo de estresse.

O estresse é um dos fatores que irá influenciar no bem-estar dos animais de produção, principalmente, o estresse térmico. Segundo pesquisadores e especialistas, o estresse calórico é um dos principais problemas encontrados no manejo de vacas leiteiras, pois há redução na produção e composição do leite, redução do consumo de matéria seca e problemas reprodutivos.

Desta maneira, surgem inovações tecnológicas que facilitam o dia a dia de uma fazenda leiteira e que mitigam os impactos causados pelo estresse térmico, essas inovações vão desde sistemas de resfriamento até mesmo softwares de gestão e monitoramento, que além de gerar maior conforto aos animais, acabam disponibilizando maior tempo aos produtores e maiores lucros com a atividade.

Você tem curiosidade em conhecer suas vacas e saber se elas estão sofrendo por estresse térmico?

Conhecer o comportamento de suas vacas, saber quanto tempo ela gasta ruminando, em ócio e atividade, é bem interessante para as tomadas de decisões, mas você já pensou em saber qual momento do dia que suas vacas estão mais ofegantes, ou seja, passando por algum estresse térmico, nesse caso por calor, pois bem...

Pesquisas mostram que o aumento da frequência respiratória e da ofegação, são mecanismos fisiológicos importantes para dissipação de calor, porém esses mecanismos demandam gasto de energia, o que acaba causando um desbalanço no organismo do animal.

Por conhecer essas demandas, a Cowmed tem desenvolvido no seu sistema de monitoramento algumas análises de indicadores ambientais e comportamentais do estresse térmico.


Conhecendo alguns indicadores?

Sabemos que as vacas possuem uma zona de conforto térmico, denominada zona de termoneutralidade, ou seja, quando o animal está em uma temperatura confortável e sem estresse por calor ou frio. Outro indicador interessante de ser avaliado junto com a zona de conforto térmico é o THI, que significa índice de temperatura e umidade, essa ferramenta é interessante para técnicos e produtores avaliarem as condições térmicas a fim de evitar ambientes estressantes aos animais.


Análise do THI

No sistema de monitoramento da Cowmed, temos um módulo voltado totalmente para análise do estresse térmico, que é a análise do THI, que é calculada a partir da estação meteorológica mais próxima da fazenda que está sendo monitorada, como demonstrado nas figuras.


Valores de THI em cada hora do dia

Figura 1 – Gráfico indicando os valores de THI em cada hora do dia.


Temperatura e umidade em cada hora do dia

Figura 2 – Gráfico indicando a temperatura e umidade em cada hora do dia.

Sabemos que resultados de THI superior a 72, pode-se entender que o animal está em um ambiente estressante. Nem todos os produtores conseguem medir o THI em suas propriedades, por esse motivo a Cowmed tem essas análises, o que torna tudo mais eficiente para as tomadas de decisões.


Tempo de ofegação

Como citado anteriormente, sabemos que os animais sob estresse térmico tendem a aumentar sua frequência respiratória e assim tornam-se mais ofegantes, mecanismo pelo qual, o animal utiliza para dissipar calor. Tendo esse conhecimento, a Cowmed desenvolveu um sistema de monitoramento, além das variáveis comportamentais já monitoradas como, ruminação, ócio e atividade, também monitoramos o tempo de ofegação desses animais, e isso tudo na palma de sua mão, uma maneira fácil e rápida, para ter as melhores decisões em relação ao conforto térmico dos animais de sua fazenda.

No exemplo abaixo, o gráfico mostra o comportamento de uma vaca sob estresse térmico, podemos observar o aumento da linha da ofegação.

Tempo em minutos de ofegação nas últimas 24 horas

Figura 3 – Podemos observar o aumento da linha preta pontilhada, a qual indica o tempo em minutos de ofegação nas últimas 24 horas.


Com essas funcionalidades que o sistema de monitoramento da Cowmed oferece aos produtores e técnicos, podemos identificar brevemente possíveis situações relacionadas ao estresse térmico, e com isso buscar medidas a fim de mitigar estes problemas, os quais fazem parte da grande maioria das fazendas, e tudo isso na palma da sua mão e 24 horas por dia.